quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Apenas metade


Ele: Eu seria, sei lá, hipócrita, se dissesse que não vejo importância na consideração dos valores dessa 'sociedade', que não vejo até beleza nessa mediocridade (que te sufoca, vejo). O que haveria de transgressão não fossem os limites? Não me arrependo de, em nome desses valores, desses bons modos, não ter outrora te beijado a boca... Foi tão bom esperar! É como a música de protesto do Chico Buarque. Que seria dele não fosse a repressão? Metade do que é...

Ela: É que a minha sensação de inadequação reside justamente nisso. Respeito porque assim o exige o convívio social; me submeto até, mas nunca pacificamente. Se concordasse, mansa, aí sim, seria, talvez, metade... Gostarias de apenas metade de mim?! Eu seria mais feliz? Te faria feliz?

Um comentário:

  1. Nada de metades, por favor :)

    Bom dia , Lu !
    Beijos

    ResponderExcluir

Mostre a sua!