quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Porque é preciso deixar ventar novamente...

"[...] e tão dissimulado te espio que nunca me percebes assim, te devassando como se através de cada fiapo, de cada poro, pudesse chegar a esse mais de dentro que me escondes sutil, obstinado, através de histórias como essa, do mar, das velhas tias, das iniciações, das cicatrizes, e em tudo que me contas pensando, suponho, que é teu jeito de dar-se a mim, percebo farpado que te escondes ainda mais, como se te contando a mim negasses quase deliberado a possibilidade de te descobrir atrás e além de tudo que me dizes, [...]  mas volto e volto sempre, então me invades outra vez  com o mesmo jogo e embora supondo conhecer as regras, me deixo tomar por inteiro por tuas estranhas liturgias, a compactuar com teus medos que não decifro, a aceitá-los como um cão faminto aceita um osso descarnado, essas migalhas que me vais jogando entre as palavras e os pratos vazios, torno sempre a voltar [...]."

2 comentários:

  1. E volta e volta. O eterno retorno do que é recalcado.

    ResponderExcluir
  2. Andamos em círculos... quando bem, em espiral...

    ResponderExcluir

Mostre a sua!