sexta-feira, 26 de março de 2010

Acalanto

Te despirei com minha boca e meus pensamentos
Me apossarei do teu corpo por algumas horas apenas
Mas enquanto durar, irei governá-lo
sem que percebas
Invadirei tua alma,
dominarei teus medos e tuas fraquezas
te perscrutando até (des)cobrir tua essência
Tua boca, minha busca
Teu corpo, meu refúgio
E seremos cúmplices abandonados na solidão de dois
Mas em ti me saciarei
e silenciarei para não me revelar
E quando cogitares minha fuga
indo ao meu encontro
e, aliviado, constatares que ali permaneço
farei do teu peito meu acalanto
Porque definir o que nos une será
e-terna-mente
impossível

3 comentários:

  1. Olá Luíza seu blog é parecido com o meu! Estav digitando no google a palavra Faces quando caiu o Mil faces de Luiza. Gostei do texto !

    Abraços !

    ResponderExcluir

Mostre a sua!